Home > Análises > Análise | Devil May Cry 5: Special Edition
análise devil may cry 5 special edition

Análise | Devil May Cry 5: Special Edition

Devil May Cry é uma franquia com muita história para contar. Nestes 19 anos foram lançados 5 games principais, um spin-off/reboot, anime, mangá e livros.  Embora Dante seja o protagonista ele não é o único personagem que ganhou uma legião de fãs nessas quase duas décadas. Nero, Trish, Lady e Vergil também tem o seu espaço no coração dos jogadores. Confira a seguir a  nossa análise de Devil May Cry 5 Special Edition.

E falando em Vergil, o lendário alfa e ômega, está de volta. Seguindo uma tradição que começou em DMC3, a edição especial de DMC 5 marca o retorno do espadachim em toda sua glória.

Mas DMC 5: Special Edition tem muito mais do que Vergil em seu pacote. O título, que está disponível para a nova geração, conta com Ray Tracing (PS5/Xbox Series X), mais inimigos, resolução 4K, possibilidade de jogar a 120FPS e novo áudio 3D, que é ideal para fones de ouvido. Além disso, conta com os benefícios do pacote Deluxe e skins EX Color.

Breve resumo da história

Um homem enigmático, que se identifica como V, contrata Dante para interferir nos planos de Urizen, um poderoso demônio que está destruindo a vida na terra e deseja se tornar o rei das trevas. Entretanto, as coisas não saem como esperado. Dante e seus parceiros são derrotados. A trupe de Devil May Cry começa então a se preparar para mais uma vez lutar contra Urizen e impedir que seu plano se torne realidade.

Diferenças na prática

Existe uma evolução notável em DMC 5 Special Edition. O jogo está polido, ele recebeu mais “uma camada” que corrigiu detalhes sutis. Essa versão põe fim aos serrilhados, ao estouro nas regiões iluminadas do mapa, além de apresentar taxa de quadros estável, cenários mais detalhados e um excelente trabalho de iluminação.

Mesmo o Series S, que não aproveita do Ray Tracing foi beneficiado do ajuste de iluminação natural do jogo. E a experiência fica ainda melhor numa TV 4K. Todos esses atrativos passam a sensação de jogo novo.

Jogando com Vergil

A primeira coisa que você precisa saber é que não se trata de uma campanha inédita. Ao invés de jogar as fases com Dante, Nero e V, você jogará com Vergil. A diferença é que o gameplay com o vilão não tem as animações, o que é altamente sensato.

O demônio de sobretudo azul conta com sua katana Yamato, a espada Gume, as espadas ilusórias e a já conhecida armadura de combate Beowulf. Ou seja, o personagem é altamente versátil e preparado para encarar todos os níveis do game sem deixar o jogador na mão.

Em comparação com os demais personagens não existe nenhuma melhoria técnica, isto é, ele está no mesmo nível de mecânica, fluidez e tempo de resposta, o que garante uma jogatina justa contra os desafios da campanha e Palácio Sangrento, por exemplo.

Veredito

Devil May Cry 5: Special Edition tem conteúdo suficiente para ser chamado de atraente. Além disso, ter sido lançado a preço bem inferior aos demais lançamentos é outro ponto positivo. Para quem ainda não jogou, a versão especial é, sem sombra de dúvidas, o melhor pacote a se adquirir. Aos que já tem o título, talvez seja mais interessante economizar uma grana e pagar pelo upgrade e jogar via retrocompatibilidade na nova geração.

Nota: 8

Uma cópia para Xbox Series X|S foi decida pela Capcom para a realização desta análise.

Sobre Gabriel Magalhães

Graduado em psicologia e marketing, é jornalista de games desde 2015. Começou a jogar aos 4 anos, em um Dynavision (Dynacom) e, desde então, é um fã do mercado de jogos eletrônicos.
x

Veja Também

black ops cold war campanha

Análise | Call of Duty: Black Ops Cold War (Campanha)

Análise | Call of Duty: Black Ops Cold War (Campanha) Após um salto para o futuro a série Black Ops, ...