Home > Análises > Análise | Star Wars Squadrons
análise star wars squadrons

Análise | Star Wars Squadrons

Análise de Star Wars Squadrons

Há dois tipos de fãs de Star Wars, os que sonham em ser um Jedi e aqueles que adorariam ser pilotos e travar incríveis batalhas no espaço. Em Star Wars Squadrons o desejo de estar dentro da cabine de uma das incríveis naves da franquia se torna realidade. A seguir confira a nossa análise deste novo simulador que está disponível para PC, PS4 e Xbox One.

Há muito tempo, em uma galáxia distante

A história do game acontece logo após Batalha de Endor. O jogador assume o papel de dois personagens genéricos (customizáveis), isto é, um piloto representante do Império e integrante do Esquadrão Titã e um piloto da Nova República, do Esquadrão Vanguarda. Ou seja, no jogo se tem a perspectiva dos dois lados da história.

A trama gira em torno do Projeto Starhawk, que tem a intensão de construir uma nave de guerra para a Nova República. As quase 10 horas de campanha seguem os eventos deste episódio.

A campanha tem uma história interessante, tendo seus melhores momentos nas animações. Os demais eventos são ofuscados por cenas com diálogo onde há pouca interação. O que é justificável, uma vez que os personagens jogáveis são customizáveis e não figuras definidas, como em Fallen Order.

Uma verdadeira guerra nas estrelas

É importante ressaltar que Squadrons é um simulador de voo. Não se trata de um arcade flight como Rogue Leader (Gamecube) ou Jedi Starfighter (PS2/Xbox). Isso não significa que o game não seja amigável para novatos, mas que é preciso aprender um pouco mais do que o básico para aproveitar a campanha na dificuldade padrão e no modo online.

Ao todo são 8 caças estelares divididos igualmente nos dois hangares do jogo. Cada um tem suas vantagens e desvantagens, pois foram criados pensando numa formação equilibrada dentro de uma partida multiplayer. Por exemplo, enquanto o X-Wing é responsável por atacar o U-Wing é focado no apoio do time.

Cada modelo tem suas particularidades de jogabilidade, campo de visão de cabine e posicionamento específico dos botões de painel. Por isso, jogar a campanha é fundamental. No modo história se tem a oportunidade de conhecer estas naves de forma didática.

Já o modo multiplayer é onde os jogadores podem testar suas habilidades jogando com todas as naves e experimentar os efeitos de modificações que alteram o desempenho dos caças.

Nota-se que há pouca opção de modo online, o que pode ter sido uma estratégia da EA para concentrar mais jogadores e tornar o matchmaking mais rápido.

Veredito

Star Wars Squadrons veio para acabar com o hiato dos bons jogos de “navinha” da franquia. O game cumpre a cartilha, oferecendo modo single-player, multiplayer e customização para os caças. Seria interessante ter um maior leque de naves e modalidades extras para aproveitar o modo off-line. Com certeza isso tornaria a experiência ainda mais rica.

Por fim, podemos dizer, sem sombra de dúvidas, que Squadrons faz parte da lista de novos jogos atrativos da saga Star Wars garantindo uma experiência realista e imersiva sem ser assustadora para os novatos.

Nota: 8

Uma cópia para Xbox One foi cedida pela EA para a realização da análise de Star Wars Squadrons.

Sobre Gabriel Magalhães

Graduado em psicologia e marketing, é jornalista de games desde 2015. Começou a jogar aos 4 anos, em um Dynavision (Dynacom) e, desde então, é um fã do mercado de jogos eletrônicos.
x

Veja Também

análise pacer

Análise | PACER

Análise | PACER É difícil encontrar um gamer que cresceu na década de 90 e não tenha tido contato com ...